quinta-feira, 12 de julho de 2012

A mesa de trabalhar...

Sempre falo de D. Maria Elita aqui, chegou a hora de falar sobre Seu João. Sim meus pais eram a dupla João e Maria, fofo né!
Seu João senhor meu pai também foi ser uma linda estrelinha no céu. E que estrela esse ai deve ser viu, afemaria! Já imagino ele chegando lá e querendo que todas as outras estrelas mudem de idéia (um dia eu aprendo a escrever idÉia sem acento) com relação a tudo que já viram no mundo...rs. De verdade, se você me pedir para descrever Seu João eu realmente não sei se vou saber te explicar. Mas ele era uma pessoa muito inteligente, contestadora, cheia de questionamentos sobre a vida e a felicidade da humanidade! Ai você me pergunta "nossa, ele era filósofo, antropólogo, sociólogo ou algum ólogo assim?", pois bem, este senhor que vos descrevo era um leitor, pensador e questionador nas horas vagas, mas sua carteira de trabalho tinha lá: encanador! E é por isso caro amigo que sempre acredito que o conhecimento pode chegar em qualquer pessoa, é só querer!
Enfim, rodei rodei contando sobre Seu João pra chegar a mesa de trabalho dele. Sim, ele tinha uma mesa de trabalho! Meu pai tinha uma empresa que prestava serviços hidráulicos, isso muito antes de  construtoras, empreiteiras e as empresas hoje que fazem as reformas. Essa empresa foi "herdada" de  italianos para quem ele trabalhou, e além da empresa ele ficou com alguns móveis que eles deixaram quando voltaram para Itália. Entre elas a tal mesa, uma prancheta de projetos de madeira com uma gaveta grande. Olha ela aqui no antes:

Eu brinquei muito embaixo dessa mesa ouvindo o bater das teclas da máquina de escrever quando ele fazia seus orçamentos. Escalei muito esse banquinho para rabiscar um papel qualquer e me achar "a importantante" sentada naquela altura.
Meu pai foi ficando velhinho e eu fui crescendo e começando a criar uma carreira e me lembro com se fosse ontem quando ele decidiu transferir a mesa para mim, pois eu precisava daquele espaço para os trabalhos do colégio técnico e da faculdade que estariam por vir, e ele já perdendo a visão, já não podia trabalhar como antes e a aposentadoria estava a caminho.
Quando assumi a mesa a primeira coisa que fiz foi cobri o tampo com feltro e colocar um vidro em cima para eventuais recortes com estilete e para proteger a mesa também. E lá fiz muitos "trabalhos da escola". Ai veio a mudança para minha nova casa. Da minha casa antiga trouxe algumas coisas, mas o móvel que fiz mais questão de trazer foi essa mesa. Eu nem queria saber se caberia ou não, se ia combinar ou não...ela vem e ponto! Me diz, tinha como não vir depois dessa história toda?
E agora na nova casa decidi que ela precisa de uma nova roupa também!. O feltro que já foi azul e depois amarelo passou a ser CMYK! O vidro voltou porque o outro quebrou lá na antiga casa mesmo fazia um tempão (rs). Levou uma bela lixada e tinta preta, a gaveta branco, o banquinho uma tinta preta também e foi estofado.
O processo:

Olha só que bonitona que ela ficou!!!

Aproveitando, deixa mostrar uns detalhinhos do meu canto de arteira: 
 
E a versão luzinhas!!!


Deixa eu avisar que essas fotos já estão desatualizadas tá! Vivo mudando as coisas de lugar nesse canto ai. Tem dias que está um primor de organizadinho e tem dias que não (como esse dia ai...rs). Mas o que acho uma delícia é que é tudo tão meu. Não preciso ter regras ali. Posso fazer a maior bagunça num dia e se quiser colocar tudo no lugar de novo, coloco, se não, arrumo de outro jeito!!

Eu tenho mania de conversar com coisas inanimadas (a louca!) e sempre que chego em casa eu solto um "oi casa!". A primeira coisa que vejo ao entrar é esse canto bagunçado ai, e sempre penso "sim, esse aqui é o meu lar"...